11 de abril de 2013

Playlist da semana!

Hoje eu quero dedicar esse post aos nosso ícones do Rock Brasileiro que fariam primaveras bem próximo um do outro.
O célebre Renato Russo (27 de março de 1960), e o poético Cazuza (04 de abril de 1958), 53 e 55 respectivamente.
Acho que não preciso de um resumo de ambos, porque acredito que um pedaço deles ainda vivem em nós, e isso é algo que não podemos negar.
Incrível como Renato me descreve completamente (ou será que descreve não descrevendo?).

Eduardo e Mônica

Quase sem querer
Tempo perdido
Será

"Já quis ter tinta grudada no cabelo, rir por alguém dizer "não aguento mais birita", matar aquele Jeremias filha da puta sem-vergonha, ensinar quase tudo que eu sei, fazer muitos planos, sentar ao lado dele...
Já andei distraída, impaciente, indecisa...
Já desperdicei chances tentando provar pra todo mundo que eu não precisava provar nada para ninguém... ah, e já me disseram que você estava chorando, então foi aí que eu percebi como eu lhe queria tanto.
Já acordei não tendo o tempo que passou, mas percebi que ainda tinha todo tempo do mundo, que não houve tempo perdido...
Já notei que a tempestade era da cor dos meus olhos, e que as pessoas precisavam tirar a mão de mim, porque eu não pertenço a ninguém... Será? 
Já achei que tudo isso era em vão e que talvez fosse só minha imaginação, mas então lembrei que o sol sempre volta... mais uma vez.
Por fim, acabei percebendo que tem gente que machuca os outros e que tem gente que não sabe amar, por isso temos que acreditar para alcançarmos. "


E, o que falar do meu filósofo poético? Aquele que me dá inspiração?

"As mentiras sinceras já me interessaram, quis pedir a sua mão para ter um pouquinho de proteção porque sempre fui essa "maior abandonada" que recebia migalhas, raspas e restos...
Ele é só mais um cara cansado e sem beijo de namorada.
Só mais um cara, apesar de saber que ele não tá derrotado porque os dados continuam a rolar. Ele sobrevive sem nenhum arranhão da caridade de pessoas que o detestam. 
Incrível como suas ideias não correspondem aos fatos, e seu futuro sempre acaba repetindo seu o passado. Afinal, o tempo não para!
Nunca comemora nada, é apenas um brasileiro revoltado porque seu país foi transformado num puteiro.
Seu destino cruzou o meu na maternidade.  
"Que paixão cruel e desenfreada" ele diz, e eu retruco "Como você é exagerado!"
No fim das contas, ele sempre acaba trazendo um buque de rosas para desculpar suas mentiras, suas roubadas. Um amor daqueles inventados.
Ele diz que não vai respirar e até pode morrer de fome se eu não amá-lo, porque pra ele é tudo ou nunca mais.. .afinal ele é mesmo exagerado!"

Maior Abandonado (No tempo do Barão...)
O tempo não para
Exagerado
Vida louca

A vida é louca mesmo, e breve.... mas ainda sim é imensa, imensa!

Bom, eu sei que não é muito mas essa é minha pequena homenagem para esse grandes músicos, compositores, poetas, filósofos...


Nenhum comentário:

Postar um comentário