12 de junho de 2013

Então, que morra, assim penso eu!



"Eu não sei mais escrever, quero dizer, não literalmente, você me entende, não?Eu sou uma escritora jovem demais e talvez uma paranoica egocêntrica. É tudo tão ridículo e hipócrita. Todas esses transeuntes me dão nojo, me dão ódio. Sei, sei disso. Não deveria pensar ou falar dessa maneira, porque quem sempre cospe suas injúrias e ofensas, acaba morrendo com seu próprio veneno. Então, que morra, assim penso eu! 

10 de junho de 2013

Remember, do not forget!





Estou em um processo de auto-avaliação onde qualquer resquício inapropriado me atinge, como por exemplo as opiniões alheias, o que as pessoas acham que eu devo fazer, o que eu devo seguir, o que eu devo aceitar assim, sem ao menos contestar, sem ao menos lutar.

27 de maio de 2013

Nada mudou, mas muita coisa está em mudança...





"Tudo que eu sei é que quando acordo continuo sendo a mesma, mas eu me pergunto até quando? Até quando as coisas vão ser as mesmas? Até quando eu continuarei defendendo meus princípios de hoje? 
Parece que o mundo foi pintado de branco, e a cada escolha uma pincelada de tinta se esparrama pelo caminho. São tantas combinações, qual eu devo escolher? 
Os dias passam e a parede continua branca. Tudo que eu sei é que só consigo planejar meu café da manhã para o outro dia, sou incapaz de me planejar para o próximo mês e isso me dá medo! 
Eu não sou o tipo de pessoa que se deixa levar, não sou o tipo de pessoa que consegue viver sem pensar, não sou o tipo de pessoa que não se planeja. Eu preciso saber no mínimo cinco coisas do futuro próximo. A que horas? Aonde? Com quem? Como? Quanto tempo?
Estou apavorada! O que eu faço?
Nada mudou, mas acordo todo dia com a sensação de que o mundo não é mais o mesmo. Como isso é possível? Eu nem ao menos consigo surtar, ou gritar... isso seria demais.
Eu não consigo nem dar o primeiro passo. Com qual pé? Em qual direção? Com quais sapatos? Numa rua estreita cheia de paralelipípedos, ou numa estrada larga de terra? 
Eu sinto que enlouqueci. Eu sinto que me perdi. Como vou me conhecer melhor a partir de agora? Nada mudou, mas muita coisa está em mudança..."

16 de maio de 2013

Inverno no mediterrâneo



"Começo o dia dizendo à mim mesma que tudo dará certo, as nuvens nebulosas de ontem irão embora e o sol iluminará meu dia, vou caminhar um pouco e entre meus passos perdidos encontrarei flores perfumadas, digo também que preciso enfrentar pelo menos um desafio por dia, então me preparo. Calço meus sapatinhos de pelúcia e percorro o longo e estreito corredor de casa, mas espera um pouco... eu não estou em casa, não! Havia me esquecido, com os olhos ainda empoeirados devido ao pó mágico do senhor Sandman escancaro a porta do banheiro, ou melhor, de onde deveria ser. Descubro que é só um canto vazio em meio ao vasto concreto. Demoro mais alguns milésimos de segundos até entender que não estou mais em casa, que não sou mais uma criança... muito menos uma adolescente, mas o que eu sou? Adulta? Ter dezoito anos não significa necessariamente ser um adulto, nem uma criança, acho que a palavra mais adequada seria: descoberta!

17 de abril de 2013

Polaroid 360

Como estão as coisas por aqui....


Essa semana resolvi separar um tempo
 para os clássicos (em apenas um dia foram quatro!)


Também essa semana eu passei alguns dias na vovó
 para fazer aquela média, e olha que jardim lindo ela tem!

11 de abril de 2013

Playlist da semana!

Hoje eu quero dedicar esse post aos nosso ícones do Rock Brasileiro que fariam primaveras bem próximo um do outro.
O célebre Renato Russo (27 de março de 1960), e o poético Cazuza (04 de abril de 1958), 53 e 55 respectivamente.
Acho que não preciso de um resumo de ambos, porque acredito que um pedaço deles ainda vivem em nós, e isso é algo que não podemos negar.
Incrível como Renato me descreve completamente (ou será que descreve não descrevendo?).

Eduardo e Mônica

4 de abril de 2013

Panqueca Americana!


Como o título já diz praticamente tudo! Vamos a receita da semana que é muito fofinha e deliciosa. Pelo menos algum dia na vida todos nós já ficamos morrendo de desejo por aquelas panquecas americanas no café da manhã com melado, manteiga, frutas, o que for! E, nunca tentamos fazer porque achávamos que era difícil, e aqui no Brasil não havia os ingredientes necessários. 
Engano nosso! A receita é super simples, e aposto que todos têm em casa a maioria dos ingredientes.

Vamos a receita?